Você sabe a origem da sua dor? A maior parte das pes­soas acred­i­ta que dores nas costas e dores na col­u­na são a mes­ma coisa, não existin­do nen­hu­ma difer­ença entre ambas.
Dores na região lom­bar são, cada vez mais, fre­quentes e afe­tam não somente pes­soas com idade mais avança­da. O públi­co mais jovem (incluin­do cri­anças e ado­les­centes) tam­bém man­i­fes­ta queixas recor­rentes nos con­sultórios médi­cos. Mas nem toda dor nes­ta região impli­ca a existên­cia de um prob­le­ma mais grave.
A dor nas costas, geral­mente, está asso­ci­a­da a fatores mus­cu­lares ou prob­le­mas em algum órgão do cor­po. No primeiro caso, ten­sões ou lesões mus­cu­lares podem ser respon­sáveis pelo iní­cio da dor, sendo oca­sion­adas por tra­bal­hos repet­i­tivos ou que exi­jam um esforço físi­co muito inten­so. Nestes casos, a dor nas costas sinal­iza uma sobre­car­ga que com­pro­m­ete a região.
Doenças em out­ras áreas do cor­po tam­bém podem com­pro­m­e­ter a região das costas. Um exem­p­lo é a osteo­porose que con­siste na redução de den­si­dade da mas­sa óssea e que atinge mais comu­mente as mul­heres. Essa doença metabóli­ca pode causar dores fre­quentes nas costas. No caso das doenças renais, a maio­r­ia não causa dores lom­bares, mas o surg­i­men­to de pedras em um dos rins ou nas vias urinárias, assim como alguns casos de infecção urinária, pode acabar resul­tan­do em inten­sa dor na região com a irra­di­ação, inclu­sive, para a virilha.
Os sin­tomas podem envolver espas­mos, sen­sação de cansaço, fadi­ga, reações dolorosas que podem inco­modar – ou até atra­pal­har algu­mas ativi­dades – ao lon­go do dia, den­tre outros.
Já a dor na col­u­na está rela­ciona­da a prob­le­mas ósseos: alter­ações degen­er­a­ti­vas nos dis­cos inter­ver­te­brais ou artic­u­lações; escor­rega­men­to de vér­te­bras; desvios dos eixos nor­mais da col­u­na; acome­ti­men­to da col­u­na por patolo­gias como hér­nia de dis­co, artrose, estenose do canal ver­te­bral, oste­ofi­tose, den­tre out­ras doenças.
Os sin­tomas são ain­da mais fortes: a dor pode irra­di­ar para out­ras áreas do cor­po, como per­nas, braços, náde­gas, etc. Em alguns casos, a dor na col­u­na pode ser con­sid­er­a­da inca­pac­i­tante, reduzin­do sig­ni­fica­ti­va­mente a qual­i­dade de vida do indi­ví­duo. Tam­bém é comum a per­da de sen­si­bil­i­dade e uma sen­sação de queimação/formigamento na região (que tam­bém pode irradiar).

Con­tate a Clíni­ca Delabor­ba Neu­ro­cirur­gia e Endocrinolo­gia em Brasília-DF para mais infor­mações e mar­que uma consulta.

Fonte: www.itcvertebral.com.br

Load More Posts