As mãos e bra­ços são par­tes do corpo que con­têm um grande número de ter­mi­na­ções ner­vo­sas, o que per­mite ter movi­men­tos mais deli­ca­dos e sen­tir obje­tos e alte­ra­ções de tem­pe­ra­tura, por exem­plo. Dessa forma, qual­quer pequena alte­ra­ção que possa afe­tar esses ner­vos pode pro­vo­car o sur­gi­mento de for­mi­ga­mento ou dormência.
Assim, algu­mas das cau­sas mais comuns são: a pres­são nos ner­vos, como pode sur­gir na sín­drome do túnel do carpo, na hér­nia de disco ou oste­o­ar­trose da coluna cer­vi­cal, por exem­plo, como tam­bém pode indi­car difi­cul­da­des na cir­cu­la­ção san­guí­nea, infla­ma­ções, enxa­queca ou doen­ças mais sérias, como dia­be­tes, hipo­ti­re­oi­dismo, defi­ci­ên­cia de vita­mi­nas, AVC, escle­rose múl­ti­pla ou infarto.
Em qual­quer caso, se o for­mi­ga­mento for intenso, demo­rar mui­tos dias para desa­pa­re­cer ou se sur­gir asso­ci­ado a outros sin­to­mas como can­saço exces­sivo, dor no peito ou difi­cul­dade para falar é impor­tante ir à con­sulta com o médico para ini­ciar o tra­ta­mento ade­quado, que varia de acordo com a causa.

Pos­sí­veis cau­sas do formigamento

Algu­mas das cau­sas mais fre­quen­tes do for­mi­ga­mento ou dor­mên­cia nas mãos são:

1. Sín­drome do túnel do carpo

Esta sín­drome é a prin­ci­pal causa de for­mi­ga­mento nas mãos e acon­tece quando o nervo medi­ano, que inerva a palma da mão fica preso na região do punho, cau­sando for­mi­ga­mento ou dor­mên­cia que piora à noite, difi­cul­dade para segu­rar obje­tos peque­nos e sen­sa­ção de ter os dedos inchados.
O que fazer: depen­dendo da gra­vi­dade da com­pres­são do nervo medi­ano exis­tem exer­cí­cios que podem ser fei­tos para melho­rar os sin­to­mas, no entanto, a única forma de garan­tir a cura é fazer a cirur­gia de des­com­pres­são do nervo.

2. Epi­con­di­lite lateral

A epi­con­di­lite, tam­bém conhe­cida como coto­velo de tenista, é uma infla­ma­ção dos mús­cu­los e ten­dões do coto­velo que surge devido ao uso repe­ti­tivo da arti­cu­la­ção, como acon­tece em joga­do­res de tênis ou pes­soas que tra­ba­lham em linhas de mon­ta­gem, por exemplo.
Nes­tes casos, pode haver uma dor intensa no coto­velo e perda de força em todo o braço, e o for­mi­ga­mento cos­tuma sur­gir pela com­pres­são do nervo ulnar, loca­li­zado no braço, devido à inflamação.
O que fazer: a apli­ca­ção de com­pres­sas gela­das no coto­velo pode ali­viar os sin­to­mas, porém, pode ser neces­sá­rio fazer ses­sões de fisi­o­te­ra­pia ou tomar medi­ca­ções. Assim, é sem­pre impor­tante con­sul­tar um ortopedista.

3. Dia­be­tes descontrolada

Por vezes, a dia­be­tes pode ser uma doença difí­cil de diag­nos­ti­car, espe­ci­al­mente se não pro­vo­car os sin­to­mas clás­si­cos como von­tade muito fre­quente para uri­nar ou sede exces­siva. Nes­ses casos, o tra­ta­mento não é ini­ci­ado e, por isso, a dia­be­tes fica des­con­tro­lada e, então, os níveis de açú­car con­ti­nuam aumentando.
Quando os níveis de açú­car estão muito ele­va­dos, por muito tempo, come­çam a pro­vo­car peque­nas lesões nos ner­vos de várias par­tes do corpo e, por isso, a dia­be­tes pode ser uma causa de for­mi­ga­mento nas mãos, bra­ços, per­nas ou pés, por exemplo.
O que fazer: quando existe sus­peita de dia­be­tes é muito impor­tante ir ao endo­cri­no­lo­gista para ini­ciar o tra­ta­mento com insu­lina, uma vez que ape­nas as alte­ra­ções na ali­men­ta­ção podem não ser capa­zes de tra­tar o formigamento.

4. Cisto sinovial

O cisto sino­vial pode apa­re­cer em qual­quer das arti­cu­la­ções das mãos, como punho ou dedos, e geral­mente pro­voca o sur­gi­mento de um pequeno caroço na pele, pre­en­chido por líquido da arti­cu­la­ção, que pode aca­bar com­pri­mindo os ner­vos e gerando for­mi­ga­mento na mão, assim como perda de força.
O que fazer: apli­car com­pres­sas gela­das sobre o caroço pode aju­dar a dimi­nuir o inchaço e ali­viar os sin­to­mas, no entanto, podem exis­tir casos em que pode ser neces­sá­rio fazer aspi­ra­ção do líquido ou usar medi­ca­ção, devendo-se con­sul­tar o orto­pe­dista se não exis­tir melhora após uma semana.

5. Hipo­ti­re­oi­dismo

Quando o hipo­ti­re­oi­dismo não é tra­tado cor­re­ta­mente pode cau­sar lesões nos ner­vos que levam a infor­ma­ção entre o cére­bro e o resto do corpo. Dessa forma, além da perda de cabelo, ganho de peso ou sen­sa­ção de frio cons­tante, o hipo­ti­re­oi­dismo tam­bém pode cau­sar for­mi­ga­mento em várias par­tes do corpo, incluindo as mãos e braços.
O que fazer: quando já se sabe que se tem um pro­blema na tire­oide, ou quando existe sus­peita, deve-se ir ao endo­cri­no­lo­gista para ini­ciar o tra­ta­mento ade­quado com remé­dios que con­tro­lam a tireoide.

6. Infarto

O for­mi­ga­mento ou dor­mên­cia no braço esquerdo, ou mais rara­mente, no braço direito, pode ser um sin­toma de infarto, prin­ci­pal­mente quando piora ao rea­li­zar esfor­ços ou está acom­pa­nhado de outros sin­to­mas como dor no peito, falta de ar, mal estar ou suor frio.
O que fazer: em caso de sus­peita de infarto, é neces­sá­rio diri­gir-se ime­di­a­ta­mente ao pronto-socorro para que, caso seja con­fir­mado, o tra­ta­mento seja ini­ci­ado o mais rapi­da­mente pos­sí­vel, de forma a pre­ve­nir lesões irre­ver­sí­veis no coração.

7. AVC

Embora seja uma situ­a­ção mais rara, um dos pri­mei­ros sin­to­mas do AVC é a sen­sa­ção de for­mi­ga­mento em um braço ou mão. Além disso, outros sin­to­mas comuns deste pro­blema incluem boca torta, falta de força em um dos lados do corpo e difi­cul­dade para falar.
O que fazer: em caso de sus­peita de AVC deve-se pro­cu­rar ime­di­a­ta­mente um pronto-socorro.

8. Pres­são nos nervos

Os ner­vos que iner­vam os bra­ços saem da medula, pas­sando atra­vés da coluna, e che­gam até as par­tes mais peri­fé­ri­cas das mãos e dedos. Ao longo do tra­jeto, estes ner­vos podem ser pres­si­o­na­dos, seja por tumo­res, infec­ções ou vasos san­guí­neos dila­ta­dos, como pela radi­cu­lo­pa­tia da coluna, que é quando os ner­vos são com­pro­me­ti­dos ainda na coluna ver­te­bral, por uma hér­nia de disco, oste­o­ar­trose da coluna ou este­nose do canal ver­te­bral, por exemplo.
O que fazer: é neces­sá­rio pro­cu­rar aten­di­mento do orto­pe­dista ou neu­ro­lo­gista, de forma que seja rea­li­zado o tra­ta­mento de acordo com a causa da com­pres­são do nervo, seja com fisi­o­te­ra­pia ou cirur­gia, por exemplo.

9. Defi­ci­ên­cia de vitaminas

A defi­ci­ên­cia de cer­tas vita­mi­nas, prin­ci­pal­mente as vita­mi­nas B12, B6, B1 ou E, pode pro­vo­car alte­ra­ções nos ner­vos que cur­sam com for­mi­ga­men­tos em diver­sas par­tes do corpo e alte­ra­ções na sen­si­bi­li­dade, além de diver­sas outras como irri­ta­bi­li­dade, can­saço e alte­ra­ções psi­quiá­tri­cas, por exemplo.
O que fazer: estas defi­ci­ên­cias podem ser com­ba­ti­das por meio de uma ali­men­ta­ção espe­cial rica nes­tas vita­mi­nas ou por meio da repo­si­ção de suple­men­tos vita­mí­ni­cos, por via oral ou intra­mus­cu­lar, como pode ser neces­sá­rio no caso da vita­mina B12.

10. Enxa­queca

Em mui­tas pes­soas, a enxa­queca pode ser pre­ce­dida por sin­to­mas sen­si­ti­vos, cha­ma­dos de aura, que incluem for­mi­ga­men­tos nas mãos, bra­ços, per­nas ou boca, por exem­plo, além de alte­ra­ções visu­ais, difi­cul­da­des na fala ou, até, fra­queza nos membros.
O que fazer: o tra­ta­mento da enxa­queca é ori­en­tado pelo neu­ro­lo­gista, e inclui o uso de medi­ca­men­tos para ali­viar a dor, além de poder ser neces­sá­rio o tra­ta­mento pre­ven­tivo e medi­das para evi­tar as cri­ses, como evi­tar cer­tos ali­men­tos, chei­ros ou falta de sono, por exemplo.

11. Alte­ra­ções na circulação

Ape­sar de serem mais comuns nos mem­bros infe­ri­o­res, as doen­ças cir­cu­la­tó­rias das arté­rias e veias tam­bém podem atin­gir os bra­ços ou mãos, e pro­vo­car for­mi­ga­men­tos, além de outros sin­to­mas como dor e for­ma­ção de úlceras.
O que fazer: o tra­ta­mento é feito a depen­der do tipo de defi­ci­ên­cia na cir­cu­la­ção de san­gue e se houve com­pro­me­ti­mento de veias ou arté­rias, e pode incluir o uso de meias elás­ti­cas, uso de remé­dios, como AAS, ou, até cirur­gia, por exem­plo. Para con­fir­mar e deci­dir o melhor tra­ta­mento, o pro­fis­si­o­nal indi­cado é o cirur­gião vascular.

12. Escle­rose múltipla

A escle­rose múl­ti­pla é uma doença autoi­mune que causa a degra­da­ção gra­dual das fibras ner­vo­sas do cére­bro e da medula espi­nhal. Dessa forma, alguns sin­to­mas incluem perda de força, can­saço exces­sivo, falhas de memó­ria e for­mi­ga­mento em várias par­tes do corpo, que tam­bém pode ser acom­pa­nhada da sen­sa­ção de queimação.
O que fazer: o tra­ta­mento pre­cisa ser feito com o uso de remé­dios que atra­sam o desen­vol­vi­mento da doença. Por isso, é pre­ciso con­sul­tar um clí­nico geral ou neu­ro­lo­gista para diag­nos­ti­car a doença e ini­ciar o tra­ta­mento adequado.

Con­tate a Clí­nica Dela­borba Neu­ro­ci­rur­gia e Endo­cri­no­lo­gia em Bra­sí­lia-DF para mais infor­ma­ções e mar­que uma consulta.

Fonte: www.tuasaude.com

Load More Posts